Ética e Liderança

 / 04.06.2015

“…como assegurar que uma empresa crie e consolide uma cultura baseada em princípios éticos sustentáveis? A resposta passa, obrigatoriamente, pelos líderes da empresa, que são o modelo e a referência para todos os colaboradores, em todos os momentos.”

Nos últimos anos, percebemos uma evolução na pauta prioritária da maioria das empresas do mundo capitalista. Por muito tempo, as escolas de negócios ensinaram seus alunos que o principal objetivo a ser perseguido na gestão de uma empresa era maximizar o retorno para o acionista. Segundo esta corrente de pensamento, se o negócio gerasse retorno suficiente para manter o(s) dono(s) satisfeito(s) e com um bom retorno sobre o capital investido, todo o resto estaria bem, como conseqüência da atividade econômica.

Entretanto, a história recente mostrou que outros elementos tinham importância determinante a este processo de busca de resultados, embora estivessem sendo relegados a segundo plano. Estes aspectos, fundamentalmente, passam por questões como sustentabilidade, valores e ética. Casos notórios, como o escândalo da Enron nos Estados Unidos, mostraram que a ausência de princípios norteados em uma ética forte e suportados por líderes que sirvam como exemplo na consolidação e preservação destes valores, deteriora a saúde da empresa e pode, em última instância, levar ao seu desaparecimento.

Mas como assegurar que uma empresa crie e consolide uma cultura baseada em princípios éticos sustentáveis? A resposta passa, obrigatoriamente, pelos líderes da empresa, que são o modelo e a referência para todos os colaboradores, em todos os momentos. O comportamento e as atitudes dos líderes estabelecem o padrão de comportamento aceito e, por conseqüência, definem o padrão ético da organização. E este processo de construção não se dá a partir de grandes eventos, mas sim, através das pequenas e constantes ações do cotidiano. Como agem os líderes? Eles respeitam seus acordos, cumprem suas promessas? Honram sua palavra e seus compromissos? Privilegiam o que é certo e justo do ponto de vista ético em detrimento do lucro a qualquer preço? Tratam a todos com respeito, dignidade e igualdade? Agem em consonância com princípios de sustentabilidade? Colocam o bem comum acima dos interesses pessoais? Agem de forma coerente com seu discurso? Se a resposta a essas perguntas for afirmativa, o caminho para uma cultura forte, ética e consistente está pavimentado. Do contrário, os líderes caem em descrédito, viram motivo de chacota e a empresa entra em processo de colapso.

Talvez, o grande dilema seja como assegurar um padrão ético consistente em uma seara que, por natureza, é altamente subjetiva. Um caminho possível é basear e orientar todas as decisões e ações em três princípios, que podem ser auferidos a partir de três perguntas simples:

  1. VISIBILIDADE: tudo bem se minhas ações forem publicadas na primeira página do jornal de maior circulação na minha comunidade?
  2. GENERALIDADE: tudo bem se todo mundo fizer o que eu estou fazendo?
  3. LEGADO: tudo bem se eu for lembrado pelo que estou fazendo?

Esta é uma receita simples, mas de alta efetividade. Assegure que este tipo de reflexão esteja sempre presente nas discussões dentro da empresa, em todos os níveis, e você terá dado um grande passo para construir uma organização que sirva de modelo e referência e que será admirada pelo mercado e motivo de orgulho para todos aqueles que dela fazem parte.

Ver Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Allan Costa
(41) 99878-5055
contato@allancosta.com