Cibersegurança: o grande gap – e a grande oportunidade – para o Brasil

 / 11.01.2022

O Brasil é um dos maiores mercados digitais do mundo. Movimentamos bilhões em redes sociais, e-commerce, streaming, jogos, software-as-a-service e muitas outras áreas.

Isso é ótimo para a inclusão de milhões de pessoas na nova economia digital, que se baseia muito mais em bits do que em indústrias mais tradicionais e commodities, que sempre foram nosso carro-chefe.

Toda essa presença digital, contudo, não vem sem suas consequências ruins. Mesmo sendo um dos países mais presentes em mídias sociais e outras plataformas digitais, somos o 42º lugar – dentre 50 países avaliados – dentre as nações em nível de conhecimento de suas populações sobre riscos cibernéticos.

Isso é um prato cheio para ataques cibernéticos.

Segundo a PwC Digital Trust Insights 2022, aproximadamente 83% das empresas no Brasil devem aumentar seus investimentos em segurança cibernética ainda em 2022. Essa preocupação, que já era crescente, se acentuou ainda mais com a pandemia.

Como já era de se imaginar, essa falta de conhecimento da população em geral sobre riscos cibernéticos se reflete na formação de profissionais. Segundo a consultoria ISC2, em 2020 o Brasil tinha mais de 636 mil profissionais na área de cibersegurança, mas precisaria de pelo menos mais 330 mil.

Temos um gap gigantesco a ser preenchido. Mas gosto de ver isso também como uma grande oportunidade.

Apesar da falta de profissionais, o Brasil pode estar muito bem posicionado para se tornar uma referência em cibersegurança, assim como temos nos tornado referência em outras áreas, como e-commerce, redes sociais e creator’s economy.

Sim, ainda falta bastante educação tecnológica por aqui, mas temos uma população enorme, um ambiente de negócios baseados em tecnologia cada vez mais forte e uma das populações mais digitalmente ativas do mundo.

Poucos países podem estar tão bem posicionados assim, ainda mais se considerarmos os em desenvolvimento – Índia, México e Nigéria são alguns dos que vêm à minha cabeça, e que ainda estão passos atrás do Brasil nesta área.

Essa conjunção de fatores faz com que tenhamos em nossas mãos a oportunidade de construirmos bases sólidas para nos transformarmos em uma das nações mais importantes do mundo em termos de cibersegurança. Resta saber se saberemos aproveitar essa grande oportunidade ou – como fizemos várias vezes no passado – deixaremos mais essa passar

Ver Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Allan Costa
(41) 99878-5055
contato@allancosta.com